Repositórios

ANTUNES, N. D. F. Edifícios verdes – práticas projectuais orientadas para a sustentabilidade. 2010

ANVISA – Resolução de Diretoria Colegiada . RDC 50-2002

BONDUKI, N. Intervenções urbanas na recuperação de centros históricos. 2012

BRASIL. Conselho Federal […]. Trajetória e estado de arte da formação em engenharia, arquitetura e agronomia.2010

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.809, de 7 de dezembro de 2012

BRASIL. Ministério dos transportes […]. Política Nacional de Transportes – Livro do Estado. 2018

BURY, J. Arquitetura e arte no Brasil colonial. 2006

CAMPESTRINI, P. F. et al. Entendendo BIM. 2015

CAMPOS, J. B.; PREVE, D. R.; SOUZA, I. F. (Orgs.). Patrimônio cultural, direito e meio ambiente. 2015

CASTRO, M. A. C. História e tradição na arquitectura contemporânea portuguesa. 2008

CAU-BR. Manual do arquiteto e urbanista. 2016

CAU-SP. Código de ética e disciplina para arquitetos e urbanistas. 2013

CHUVA, M. História e patrimônio. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n. 34, 2012

CUNHA, E. M. P.; ARRUDA, A. M. V.; MEDEIROS, Y. (Orgs.). Experiências em habitação de interesse social. 2007

DE ANDRADE, M. L. V. X.; RUSCHEL, R. C. BIM – conceitos, cenário das pesquisas publicadas no Brasil. 2009

DEUSCHLE, E. et al. Curso básico de Revit 2015 – Desenho 3D para engenharia civil. 2017

FIORENTINI, D. M. F.; LIMA, V. H. A.; KARMAN, J. B. Arquitetura na prevenção de infecção hospitala. 1995

GARREFA, F. Shopping Centers – De centro de abastecimento à produto de consumo. 2007

GHIRARDELLO, N.; SPISSO, B. Patrimônio histórico – como e por que preserva. 2008.

GLANCEY, J. A história da arquitetura. 2001

GOES, R. Manual prático de arquitetura hospitalar. 2004

GOMES FILHO, J. Gestalt do objeto – sistema de leitura visual da forma. 2008

GROSTEIN, M. D. Metrópole e expansão urbana – a persistência de processos insustentáveis. 2001.

HOLANDA, F. Notas sobre a dimensão estética da arquitetura. 1990

KURL, B. H. Cesare Brandi e a teoria da restauração. 2007

MASCARÓ, J. L. O custo das decisões arquitetônicas no projeto de hospitais. 995

MOURA FILHA, M. B. De Filipéia à Paraíba – uma cidade na estratégia de colonização do Brasil. 2010

OLIVEIRA, M. A. R.; JUSTINIANO, F. Barroco e Rococó nas igrejas do Rio de Janeiro. 2008

OLIVEIRA, M. D. N. Arquitetura brasileira. 2016

PEREIRA, M. T. A. Da arquitectura à teoria e o universo da teoria da arquitectura em Portugal. 2009

RAMOS, C. L.; BARROS, M. T. L.; PALOS, J. C. F. (Coords.). Diretrizes básicas para projetos de drenagem SP.

2019 ROLNIK, R.(coord.). Regulação urbanística e exclusão territorial. 1999

RUFINONI, M. R. Preservação e restauro urbano. 2009

SEGNINI JR., F. A prática profissional do arquiteto em discussão.2002

SEGRE, R. Significação da cultura italiana na historiografia da arquitetura na América Latina. 2011

SILVA, R. C. B. Arquitetura e design – os conteúdos que acercam seus programas de ensino. 2009.

SIMÕES, F. M. Acústica arquitetônica. 2011

STRINGHETA, A. C. O.; COELHO, L. L. Plantas ornamentais e paisagismo. 2014.

UMAKOSHI, E. M. Uma visão crítica do edifício alto sob a ótica da sustentabilidade.2008

VASCONCELOS, D. A. M. Building Information Modeling – Bim na arquitetura, construção e pré-fabricação.

2013 WEIDLE, E. P. S. Sistemas construtivos na programação arquitetônica de edifícios de saúde. 1995

BRASIL. Decreto Lei nº 938, de 13 de outubro de 1969

BRASIL. Ministério da Saúde. ABC do SUS. 1990

BRASIL. Ministério da Saúde. Acolhimento e classificação de risco nos serviços de urgência. 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Caminhos do direito à saúde no Brasil. 2007

BRASIL. Ministério da Saúde. Clínica ampliada, equipe de referência e projeto terapêutico singular. 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde. Diretrizes de atenção a pessoa amputada. 2013

BRASIL. Ministério da Saúde. Manual de controle de roedores. 2002

BRASIL. Ministério da Saúde. Manual de direito sanitário com enfoque na vigilância em saúde. 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Manual instrutivo da Rede de Atenção às Urgências e Emergências no Sistema Único de Saúde (SUS). 2013

BRASIl. Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização. 2004

BRASIL. Ministério da Saúde. Protocolos de Intervenção para o SAMU 192. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Técnico em órtese e prótese. 2014

CANDELAS, N. M. F. Conceitos de educação e promoção em saúde. 1997

CARVALHO, S. R. Os múltiplos sentidos da categoria empowerment. 2004

CECILIO, L. C. O.; LACAZ, F. A. C. O trabalho em saúde. 2012

COFFITO. Resolução nº 10, de 3 de julho de 1978

COFFITO. Resolução nº 80, de 9 de maio de 1987

COFFITO. Resolução nº 193, de 9 de dezembro 1998

FORNAZARI, L. P. Fisioterapia aquática. 2018

KITCHEN, S. Eletroterapia – prática baseada em evidências. 2003

World Health Organization. Preventing suicide – a global imperative. 2014

A construção social da atenção primária à saúde. 2015. 194p. MENDES, E.V.

Acolhimento à demanda espontânea. Cadernos de Atenção Básica, n. 28. 2013. v. 1. 62p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Acolhimento à demanda espontânea: queixas mais comuns na atenção básica. Cadernos de Atenção Básica, n. 28.  2013. v. 2. 292p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Acolhimento e classificação de risco nos serviços de urgência. 2009. 60p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Acupuntura no sistema único de saúde e a inserção de profissionais não médicos. Rev. Brasil. Fisioter. v. 13, n. 4, p. 330-4, 2009. 5p. SANTOS, F. A. S.; et al.

Alteridade em contexto: a antropologia como ciência social no Brasil. 1999. 35p. PEIRANO, M.

Antropologia da saúde: traçando identidade e explorando fronteiras. 1998. 251p. ALVES, RABELO

Are the clinical effects of homoeopathy placebo effects? A meta-analysis of placebo-controlled trials. Lancet. v. 350, p. 834-43, 1997. LINDE, K. et al.

As redes de atenção a saúde. 2. ed. 2011. 554p. MENDES, E. V.

Atenção ao pré-natal de baixo risco. Cadernos de Atenção Básica, n. 32. 2013. 319p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Atenção primária à saúde: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. 2002. 710p. STARFIELD, B.

Avaliação de qualidade de vida e importância dada a espiritualidade, religiosidade, crenças pessoais (SRPB) em adultos com e sem problemas crônicos de saúde. Rev Psiq Clín. v.38, n.1, p.19-23, 2011. 5p. ROCHA, N. S.; FLECK, M. P. A.

Avaliação do desempenho da atenção básica. Ciência & Saúde Coletiva. n. 11. 2006. p. 683-703. IBAÑEZ, N. et al.

Avaliação na Atenção Básica em Saúde: caminhos da institucionalização. 2005. 34p. BRASIL. Ministério da Saúde. 

Bioética clínica: reflexões e discussões sobre casos selecionados. CREMESP, 2008. 267p. OSELKA, G. (Cood.)

Bioinformática, genes e inovação.  Bioinformática. 2003. VOGT C.

Boletín de la Oficina Sanitaria Panamericana. n. 111, 1991, p. 485-496. FRENK, J. et al.

Caderno de atenção domiciliar. v.1. 2012. Brasil. Ministério da Saúde

Caderno de atenção domiciliar. v.2 2013. Brasil. Ministério da Saúde.

Caderno de atenção domiciliar: cuidados em terapia nutricional. v.3.  2015. Brasil. Ministério da Saúde.

Caderno de saúde e educação ambiental: versão preliminar. 2015. 30p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Caminhos do direito à saúde no Brasil. 2007. 24p. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa

Carências de micronutrientes. Cadernos de Atenção Básica, n. 20. 2007. 60p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Clínica ampliada, equipe de referência e projeto terapêutico singular. 2. ed. 2007. 60p. BRASIL, Ministério da Saúde.

Clinical trials of homoeopathy. BMJ. v.302, p. 316-23, 1991. 8p. KLEIJNEN J., KNIPSCHILD P., TER RIET G.

Código de ética médica: resolução CFM n° 2.217, 2019. 74p. CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA.

Consolidação das leis do trabalho: CLT e normas correlatas. 2017. 193p. BRASIL, Senado Federal.

Construção de uma práxis educativa em informática na saúde para ensino de graduação. Ciêncie e Saúde Coletiva. v. 13, n.1, 2008, p. 283-288. CARDOSO JP et al.

Contribution of Primary Care to Health Systems and Health. v. 83, n. 3, 2005. p. 457 – 502. STARFIELD, B.; SHI, L; MACINKO, J.

Controle dos cânceres do colo do útero e da mama. Cadernos de Atenção Básica, n. 13. 2013. 124p. BRASIL. Secretaria de Atenção à Saúde.

Curandeirismo e o campo da saúde no Brasil. Interface: comunicação, saúde e educação. v. 12, n. 24, p. 87-106, 2008. 20p. PUTTINI, R. F.

Cuidados de saúde primários: agora mais do que nunca. 2008. 156p. Organização Mundial da Saúde – OMS.

Decreto nº 6.040, de 07/02/2007. Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. 2018. 4p. BRASIL.

Diabetes Mellitus. Cadernos de Atenção Básica, n. 16. 2006. 56p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Diabetes Mellitus: estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica. Cadernos de Atenção Básica, n. 36. 2006. 56p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Diretrizes do NASF: núcleo de apoio a saúde da família. Cadernos de Atenção Básica, n. 27. 2010. 152p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Distritos sanitários: concepção e organização.1998. v. 1. 62p. ALMEIDA, E. S.

Diversidade na educação: reflexões e experiências. 2003. 174p. RAMOS, M. N,; ADÃO, J. M.; BARROS, G. M. N.

Doenças relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos para os serviços de saúde, 2001. 580p. BRASIL, Ministério da Saúde.

Doenças relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos para os serviços de saúde. A investigação das relações saúde-trabalho, o estabelecimento do nexo causal da doença com o trabalho e as ações decorrentes. 2001. p. 27-36. BRASIL. Ministério da Saúde.

Doenças relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos para os serviços de saúde. – Doenças do sistema respiratório relacionadas ao trabalho. 2001. p. 307-62. BRASIL. Ministério da Saúde.

Doenças respiratórias crônicas. Cadernos de Atenção Básica, n. 25. 2010. 160p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Educação ambiental: aprendizes de sustentabilidade. 2007. 109p. HENRIQUES, R. et al. (Orgs.)

Educação em saúde e espiritualidade: proposições metodológicas. Revista Brasileira de Educação Médica. v.34, n.4, p. 587-97, 2010. 11p. DAL-FARRA, R. A.; GEREMIA, C.

Educação em saúde: diretrizes. 2007. 70p. BRASIL. Fundação Nacional de Saúde.

Ensino de língua portuguesa para surdos: caminhos para a prática pedagógica. v.1. 2004. 134p. SALLES, H. M. M. L.; et al.

Ensino de língua portuguesa para surdos: caminhos para a prática pedagógica. v.2. 2004. 134p. SALLES, H. M. M. L.; et al.

Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Cadernos de Atenção Básica, n. 19. 2006. 192p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Epidemiologia básica. 2.ed. 2010. 230p. BONITA, R.; BEAGLEHOLE, R.; KJELLSTRÖM, T.

Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica. Cadernos de Atenção Básica, n. 35. 2014. 162p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: hipertensão arterial sistêmica. Cadernos de Atenção Básica, n. 37. 2013. 130p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: o cuidado da pessoa tabagista. Cadernos de Atenção Básica, n. 40. 2015. 156p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: obesidade. Cadernos de Atenção Básica, n. 38. 2014. 214p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Farmacopeia Homeopática Brasileira. 3.ed. 2011.  364p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Ferramentas para a gestão e para o trabalho cotidiano. Núcleo de Apoio à Saúde da Família. v. 1. Cadernos de Atenção Básica, n. 39. 2014. 118p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Guia de Vigilância em Saúde: volume único.  3. ed. 2019. 740p. BRASIL. Ministério da Saúde. 

Guia prático de medicina baseada em evidências. Cultura Acadêmica. 2014. 122p. EL DIB, R. (Org.)

Hipertensão arterial sistêmica para o Sistema Único de Saúde. Cadernos de Atenção Básica, n. 15. 2006. 53p. BRASIL. Ministério da Saúde.

HIV/Aids, hepatites e outras DST. Cadernos de Atenção Básica, n. 18 2006. 197p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Humaniza SUS: documento base para gestores e trabalhadores do SUS.  2004. 60p. BRASIL, Ministério da Saúde.

Influência da religiosidade, espiritualidade dos profissionais da saúde na valorização da dimensão espiritual do paciente crítico. Revista Enfermagem UFPE On Line. v. 11, Supl. 6, p. 2510-7, jun., 2017. LA LONGUINIERE, A. C. F. de; YARID, S. D.; SILVA, E. C. S.

Introdução à bioestatística. 4. ed. 2011. 345p. VIEIRA, S

Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS e dá outras providências. 2002. 1p. BRASIL. Ministério da Educação.

Lista de doenças relacionadas ao trabalho: portaria nº 1339/GM, de 18 de novembro de 1999. 2. ed. 2008. 70p. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria da Atenção á Saúde.

Manual de acolhimento e classificação de risco em obstetrícia. 2014. 41p. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas.

Manual de condutas para complicações oculares.  2003. 61p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Manual de direito sanitário com enfoque na vigilância em saúde. 2006. 134p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Manual de normas e procedimentos para vacinação. 2014. 178p. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis.

Manual de planejamento no SUS. 2016. v. 4. 139p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Manual de práticas em atenção básica: saúde ampliada e compartilhada. 417p. CAMPOS, G. W. de S.; GUERREIRO, A. V. P. (Orgs.)

Manual instrutivo da rede de atenção às urgências e emergências no Sistema Único de Saúde (SUS). 2013. 86p.BRASIL. Ministério da Saúde. . Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada.

Medicina antroposófica: um novo paradigma para as questões da medicina moderna. Rev Med. v.92, n.3, p. 166-172. 2013.

7p. FOLLADOR, E.C.R. Medicina baseada em evidências: o ela entre a boa ciência e a boa prática. Revista da Imagem.   v. 20. n. 1. 1998.  5p. ATALLAH, A.N. & CASTRO, A.A.

Notificação de acidentes do trabalho fatais, graves e com crianças e adolescentes. 2006. 32 p. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas.

O cuidado das condições crônicas na atenção primária a saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. 2012. 515p. MENDES, E. V.

O futuro de uma ilusão, o mal estar na civilização e outros trabalhos. 1927 – 1931.

v. 11. 157p. FREUD, S.

O que é o SUS. 2015. 93p. PAIM, J. S.

O trabalho em saúde: cidadania para a saúde. 2012. 74p. CECILIO, L. C. O.; LACAZ, F. A. C.

Obesidade. Cadernos de Atenção Básica, n. 12. 2006. 110p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Planejamento em saúde: conceitos, métodos e experiências. 2010. 164p. TEIXEIRA, C. F. (Org.)

Política Educacional da Identidade e do Multiculturalismo. Cadernos de Pesquisa, n. 117, 2002. 24p. WILLINSKY, J.

Política nacional de atenção básica. 2012. 114p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Política nacional de práticas integrativas e complementares no SUS. 2006. 92p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Política nacional de práticas integrativas e complementares no SUS: atitude de ampliação de acesso. 2. ed. 2015. 98p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Portaria nº 2.488, de 21 de Outubro de 2011: aprova a Política Nacional de Atenção Básica.2018. 26p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Portaria Nº 648, de 28 de Março de 2006: aprova a Politica Nacional de Atendimento Básico. 2006. 26p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica. Cadernos de Atenção Básica,  n. 31. 2012. 156p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Pré-natal e puerpério: atenção qualificada e humanizada, manual técnico. Cadernos de Atenção Básica, n. 5. 2005. 162p. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de ações programáticas estratégicas.

Prevenção clínica de doença cardiovascular, cerebrovascular e renal crônica. Cadernos de Atenção Básica, n. 14. 2006. 56p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Preventing suicide: a global imperative. 2014. 92p. FLEISHMAN, A

Principais marcos históricos mundiais da educação ambiental. 2007. 7p. D’ÁVILA ARAÚJO, T. C.

Procedimentos. Cadernos de Atenção Primária, n. 30. 2011. 66p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Protocolos de Intervenção para o SAMU 192: serviço de atendimento móvel de urgência. 2016. 482p. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.

Psicologia & Sociedade. Da relação entre trabalho e saúde à relação entre trabalho e saúde mental. 2007.  v. 19. p. 103-111. BORSOI, I. C. F.

Rastreameto. Cadernos de Atenção Primária, n. 29. 2010. 97p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Renovação da atenção primária em saúde nas américas. 2007. 44p Organização Pan- Americana de Saúde – OPAS.

Saúde bucal. Cadernos de Atenção Básica, n. 17. 2006. 92p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Saúde da criança: crescimento e desenvolvimento. Cadernos de Atenção Básica, n. 33. 2012. 273p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Saúde da criança: nutrição infantil: aleitamento materno e alimentação complementar. Cadernos de Atenção Básica, n. 23. 2009. 112p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Saúde mental. Cadernos de Atenção Básica, n. 34. 2013. 176p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Saúde na escola. Cadernos de Atenção Básica, n. 24. 2009. 100p. BRASIL. Ministério da Saúde

Saúde sexual e saúde reprodutiva. Cadernos de Atenção Básica, n. 26. 2010. 300p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Sistema Único de Saúde (SUS): princípios e conquistas. 2006. 43p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Um método para a implantação e promoção de acesso às práticas integrativas e complementares na atenção primária à saúde. Ciênc. Saúde Coletiva, v. 17, n. 11, p. 3011-24, Nov. 2012. SANTOS, M. C.; TESSER, C. D.

Vigilância em saúde: dengue, esquistossomose, hanseníase, malária, tracoma e tuberculose. Cadernos de Atenção Básica, n. 21. 2. ed. 2008. 196p. BRASIL. Ministério da Saúde.

Vigilância em saúde: zoonoses. Cadernos de Atenção Básica, n. 22. 2009. 229p. BRASIL. Ministério da Saúde.