Repositórios

ANTUNES, N. D. F. Edifícios verdes – práticas projectuais orientadas para a sustentabilidade. 2010
ANVISA – Resolução de Diretoria Colegiada . RDC 50-2002
BONDUKI, N. Intervenções urbanas na recuperação de centros históricos. 2012
BRASIL. Conselho Federal […]. Trajetória e estado de arte da formação em engenharia, arquitetura e agronomia. 2010 BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.809, de 7 de dezembro de 2012
BRASIL. Ministério dos transportes […]. Política Nacional de Transportes – Livro do Estado. 2018
BURY, J. Arquitetura e arte no Brasil colonial. 2006
CAMPESTRINI, P. F. et al. Entendendo BIM. 2015
CAMPOS, J. B.; PREVE, D. R.; SOUZA, I. F. (Orgs.). Patrimônio cultural, direito e meio ambiente. 2015
CASTRO, M. A. C. História e tradição na arquitectura contemporânea portuguesa. 2008
CAU-BR. Manual do arquiteto e urbanista. 2016
CAU-SP. Código de ética e disciplina para arquitetos e urbanistas. 2013
CHUVA, M. História e patrimônio. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n. 34, 2012
CUNHA, E. M. P.; ARRUDA, A. M. V.; MEDEIROS, Y. (Orgs.). Experiências em habitação de interesse social. 2007
DE ANDRADE, M. L. V. X.; RUSCHEL, R. C. BIM – conceitos, cenário das pesquisas publicadas no Brasil. 2009 DEUSCHLE, E. et al. Curso básico de Revit 2015 – Desenho 3D para engenharia civil. 2017
FIORENTINI, D. M. F.; LIMA, V. H. A.; KARMAN, J. B. Arquitetura na prevenção de infecção hospitala. 1995 GARREFA, F. Shopping Centers – De centro de abastecimento à produto de consumo. 2007
GHIRARDELLO, N.; SPISSO, B. Patrimônio histórico – como e por que preserva. 2008.
GLANCEY, J. A história da arquitetura. 2001
GOES, R. Manual prático de arquitetura hospitalar. 2004
GOMES FILHO, J. Gestalt do objeto – sistema de leitura visual da forma. 2008
GROSTEIN, M. D. Metrópole e expansão urbana – a persistência de processos insustentáveis. 2001.
HOLANDA, F. Notas sobre a dimensão estética da arquitetura. 1990
KURL, B. H. Cesare Brandi e a teoria da restauração. 2007
MASCARÓ, J. L. O custo das decisões arquitetônicas no projeto de hospitais. 995
MOURA FILHA, M. B. De Filipéia à Paraíba – uma cidade na estratégia de colonização do Brasil. 2010
OLIVEIRA, M. A. R.; JUSTINIANO, F. Barroco e Rococó nas igrejas do Rio de Janeiro. 2008
OLIVEIRA, M. D. N. Arquitetura brasileira. 2016
PEREIRA, M. T. A. Da arquitectura à teoria e o universo da teoria da arquitectura em Portugal. 2009
RAMOS, C. L.; BARROS, M. T. L.; PALOS, J. C. F. (Coords.). Diretrizes básicas para projetos de drenagem SP. 2019 ROLNIK, R.(coord.). Regulação urbanística e exclusão territorial. 1999
RUFINONI, M. R. Preservação e restauro urbano. 2009
SEGNINI JR., F. A prática profissional do arquiteto em discussão.2002
SEGRE, R. Significação da cultura italiana na historiografia da arquitetura na América Latina. 2011
SILVA, R. C. B. Arquitetura e design – os conteúdos que acercam seus programas de ensino. 2009.
SIMÕES, F. M. Acústica arquitetônica. 2011
STRINGHETA, A. C. O.; COELHO, L. L. Plantas ornamentais e paisagismo. 2014.
UMAKOSHI, E. M. Uma visão crítica do edifício alto sob a ótica da sustentabilidade.2008
VASCONCELOS, D. A. M. Building Information Modeling – Bim na arquitetura, construção e pré-fabricação. 2013 WEIDLE, E. P. S. Sistemas construtivos na programação arquitetônica de edifícios de saúde. 1995
NBR 8196 (1999) – CANCELADA
NBR 9050 (2004)
NBR 6118 (2014) – ERRATA
NBR10126 (1987)
NBR 6492 (1994)
NBR 6122 (2010)
NBR 6118 (2014)

BRASIL. Decreto Lei nº 938, de 13 de outubro de 1969
BRASIL. Ministério da Saúde. ABC do SUS. 1990
BRASIL. Ministério da Saúde. Acolhimento e classificação de risco nos serviços de urgência. 2009.
BRASIL. Ministério da Saúde. Caminhos do direito à saúde no Brasil. 2007
BRASIL. Ministério da Saúde. Clínica ampliada, equipe de referência e projeto terapêutico singular. 2007.
BRASIL. Ministério da Saúde. Diretrizes de atenção a pessoa amputada. 2013
BRASIL. Ministério da Saúde. Manual de controle de roedores. 2002
BRASIL. Ministério da Saúde. Manual de direito sanitário com enfoque na vigilância em saúde. 2006.
BRASIL. Ministério da Saúde. Manual instrutivo da Rede de Atenção às Urgências e Emergências no Sistema Único de Saúde (SUS). 2013
BRASIl. Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização. 2004
BRASIL. Ministério da Saúde. Protocolos de Intervenção para o SAMU 192. 2016.
BRASIL. Ministério da Saúde. Técnico em órtese e prótese. 2014
CANDELAS, N. M. F. Conceitos de educação e promoção em saúde. 1997
CARVALHO, S. R. Os múltiplos sentidos da categoria empowerment. 2004
CECILIO, L. C. O.; LACAZ, F. A. C. O trabalho em saúde. 2012
COFFITO. Resolução nº 10, de 3 de julho de 1978
COFFITO. Resolução nº 80, de 9 de maio de 1987
COFFITO. Resolução nº 193, de 9 de dezembro 1998
FORNAZARI, L. P. Fisioterapia aquática. 2018
KITCHEN, S. Eletroterapia – prática baseada em evidências. 2003
World Health Organization. Preventing suicide – a global imperative. 2014