ESTUDE COMO UMA GAROTA

Essa semana, o Departamento Sociocultural – TOM das instituições UniFAJ, FAAGROH, UniMAX e EAD UniFAJ listou para você, algumas mulheres que compõe a produção técnico científica mundial.

 

Administração

Luiza Trajano

Uma das mais poderosas mulheres do Brasil, Luiza Helena Trajano, é uma empresária que comanda uma das maiores redes de lojas de varejo do Brasil, a Magazine Luiza, além de outras empresas integradas à sua holding. Há 25 anos à frente do grupo, Luiza começou a sua história no grupo aos 12 anos trabalhando como balconista em uma das unidades da empresa nas férias. Quando assumiu o comando, a empresária promoveu ascensão maior dos colaboradores da rede, que passaram a ter voz ativa em todas as decisões da empresa, descentralizando o comando e evitando que egos familiares pudessem atrapalhar o crescimento da organização. Luiza lidera o Grupo Mulheres do Brasil, que foi criado em 2012, por 50 mulheres atuantes em diversos segmentos da economia. Elas se uniram em prol de um objetivo comum: melhorar o país. Atualmente, são mais de quatro mil mulheres que se encontram mensalmente para discutir, debater e propor ações relacionadas à educação, empreendedorismo, projetos sociais e cotas para mulheres.

Cristina Junqueira

A vice-presidente do Nubank, Cristina Junqueira, é uma das três fundadoras da startup. O negócio começou com três sócios em maio de 2013 e hoje conta com uma equipe de mais de 1.500 colaboradores. Cristina atuou como analista interna no Itaú Unibanco, como consultora na Booz Allen Hamilton, na capital paulista, e, depois no Boston Consulting Group. Em 2007, foi selecionada pela prestigiada Kellogg School of Management, uma das principais escolas de Administração dos Estados Unidos, em Illinois, para um MBA em Negócios, que durou um ano. De volta ao Brasil, Cristina foi entrevistada pelo presidente do Unibanco para uma vaga no grupo. À época, o empresário estava selecionando brasileiros recém-saídos de MBAs nos Estados Unidos e o timing foi perfeito para a paulista que, inusitadamente, escolheu trabalhar em uma área de pouca visibilidade e que dava resultados ruins todos os anos, a de seguros para pequenas e médias empresas. Dessa forma, aos 24 anos, assumiu um cargo de liderança no setor, como Superintendente de Negócios, e passou a liderar um time de 20 pessoas em que o mais jovem era mais velho que ela.

Coco Chanel

Coco Chanel foi uma estilista francesa e fundadora da marca “Chanel”, um grande império na produção de roupas, bolsas, sapatos, perfumes, acessórios etc. Coco trabalhou como balconista, em uma loja de tecidos, onde aprendeu a costurar. Foi cantora de cabaré e passou a adotar o nome “Coco Chanel”, tirado da música “Qui qu’a vu Coco”. Coco Chanel teve um envolvimento com o inglês, Arthur Capel, que lhe ajudou a abrir sua primeira loja, a “Chanel Modes”. Em 1922 criou o perfume Chanel nº5. Durante a Segunda Guerra Mundial, com a retração dos negócios, Coco Chanel trabalhou como enfermeira e envolveu-se com um oficial nazista e acabou exilada na Suíça. Em 1954, voltou à Paris e retomou seus negócios na moda. Apresentou o cardigã, o vestido preto e as pérolas, que se tornou marca registrada do estilo Chanel. Seu Tailleur (saia e paletó), aos poucos, passou a vestir grandes personalidades, entre elas, a primeira dama americana, Jackie Kennedy. Coco Chanel montou um grande império, sua marca é referência no mundo todo, com uma moda atemporal, elegante e confortável. A estilista faleceu em Paris em 1971.


Arquitetura e Urbanismo

Raquel Rolnik

Urbanista brasileira, foi relatora especial do Conselho de Direitos Humanos da ONU para o Direito à Moradia Adequada, por dois mandatos (2008-2011, 2011-2014). Foi diretora de Planejamento da Cidade de São Paulo (1989-1992), coordenadora de Urbanismo do Instituto Pólis (1997-2002) e secretária nacional de Programas Urbanos do Ministério das Cidades (2003-2007), entre outras atividades profissionais e didáticas relacionadas à política urbana e habitacional.

Erminia Maricato

Urbanista brasileira, é influente escritora e formadora de opiniões: “Acho que as cidades estão ficando sem perspectivas de solução de seus problemas”. Traz na bagagem a experiência de ter comandado a Secretaria de Habitação e Desenvolvimento Urbano do município de São Paulo, entre 1989 e 2002. Foi também autora de todas as propostas para a área urbana das candidaturas de Lula à presidência, entre 1989 e 2002. Mais recentemente, exerceu o cargo de conselheira do Habitat, programa das Nações Unidas para assentamentos humanos. Também foi fundadora do LABHAB (Laboratório de Habitação e Assentamentos Humanos da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP), São Paulo.

Lina bo Bardi

Achillina Bo, mais conhecida como Lina Bo Bardi, (Roma, 5 de dezembro de 1914 — São Paulo, 20 de março de 1992) foi uma arquiteta modernista ítalo-brasileira. É conhecida por ter projetado o Museu de Arte de São Paulo (MASP) Lina estudou na Faculdade de Arquitetura da Universidade de Roma durante a década de 1930 mas mudou-se para Milão, onde trabalhou para Giò Ponti, dono de uma casa chamada Domus. Ganha certa notoriedade e estabelece escritório próprio, mas durante a II Guerra Mundial enfrenta um período de poucos serviços, chegando a ter o escritório bombardeado em 1943. Conhece o profissional e arquiteto Bruno Zevi, com quem funda a revista semanal A cultura della vita. No País, Lina desenvolve uma imensa admiração pela cultura popular, sendo esta uma das principais influências de seu trabalho.

Rosa Kliass

Rosa Grena Kliass, a dama do paisagismo brasileiro é a primeira mulher a receber o Colar de Ouro do IAB, que desde 1967 já reconheceu nomes como Vilanova Artigas, Oscar Niemeyer e Roberto Burle Marx. A arquiteta e paisagista é responsável por centenas de obras dentre as quais destacam-se o projeto paisagístico para a Avenida Paulista (1973), os Parques Mariano Procópio e Halfeld em Juiz de Fora-MG (1979); a reurbanização do Vale do Anhangabaú (1981). Rosa é um dos mais importantes nomes da arquitetura da paisagem no Brasil, que tem uma tradição reconhecida internacionalmente desde Roberto Burle Marx. Além disso, Rosa teve uma intensa e constante atuação nas entidades profissionais, tendo sido a primeira mulher a compor a diretoria do IAB-SP, em 1959, e fundadora e primeira presidente da ABAP (Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas), em 1976. — Nivaldo de Andrade Júnior, Presidente da Direção Nacional do IAB.

Zaha Hadid

Zaha Mohammad Hadid, foi uma arquiteta iraquiana-britânica identificada com a corrente desconstrutivista da arquitetura.

Formou-se em matemática na Universidade Americana de Beirute. Após se formar, passou a estudar na Architectural Association de Londres. Depois de se graduar em arquitetura, tornou-se membro do Office for Metropolitan Architecture (OMA), trabalhando com seu antigo professor, o arquiteto Rem Koolhaas. Em 1979, passou a estabelecer prática profissional própria em Londres. Na década de 1980, também lecionou na Architectural Association.

Grande parte da obra de Zaha Hadid é conceitual.


Ciências Contábeis

Maria Clara Bugarim

Maria Clara Bugarim detentora de três graduações e duas especializações, mestre e com dois doutorados, ela é conhecida por quebrar paradigmas ocupando posições de destaque nas áreas governamental, acadêmica e das entidades de classe, assumindo cargos até então nunca ocupados por mulheres.

Presidiu por duas gestões o Conselho Regional de Contabilidade de Alagoas (1998 a 2001), a Fundação Brasileira de Contabilidade (2002 a 2005) e o Conselho Federal de Contabilidade (2006 a 2009).

Em decorrência de sua luta pelos direitos e garantias da classe contábil, foi agraciada com inúmeras homenagens, sendo várias condecorações e títulos.

O reconhecimento pelo seu trabalho rendeu-lhe Títulos de Cidadania de diversos Estados como Mato Grosso; Belém (PA); Belo Horizonte (MG); Fortaleza (CE), Maceió (AL); São Luís (MA) e Santana do Mundaú (AL).

Atualmente, Maria Clara ocupa as cátedras n.º 194 da Academia Nacional de Economia (ANE) e a de n.º 5 da Academia Brasileira de Ciências Contábeis (Abracicon), onde, presidiu a entidade até 2017.

Célia Regina de Castro

Primeira mulher presidente do Conselho Regional do estado de São Paulo (CRC/SP).


Direito

Gabriela Manssur

Formada em Direito, Gabriela ingressou no Ministério Público do Estado de São Paulo, onde exerce suas funções como Promotora de Justiça desde 2003. Atualmente faz parte do GEVID – Grupo de Atuação Especial de Enfrentamento à Violência Doméstica do Ministério Público do Estado de São Paulo, é Diretora da Mulher da Associação Paulista do Ministério Público, é Membro da COPEVID – Comissão Nacional dos Promotores de Justiça que atuam no Combate à Violência Doméstica e familiar contra a Mulher do Grupo Nacional dos Direitos Humanos, é Representante do Ministério Público do Estado de São Paulo junto à COMESP – Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Poder Judiciário de São Paulo e membro do grupo Mulheres do Brasil e da Campanha Compromisso e Atitude, representando o Ministério Público do Estado de São Paulo.

Idealizadora do projeto Movimento pela Mulher; Tempo de Despertar; Educa-Ação; Maria Linda; Programa de Proteção Integral (PPI): o ; Mulheres no Poder: participação equilibrada das mulheres no Ministério Público, nos cargos públicos e na política.

Em 2015, foi vencedora da Medalha Ruth Cardoso e da Medalha Laurita Ortega Mari, além de ter sido reconhecida pela revista Marie Claire como um das 24 Mulheres que Fazem a Diferença.

Em 2017 recebeu o Prêmio Mulher do Ano em São Paulo. Foi vencedora do Prêmio Carlota Pereira de Queirós em 2017.
É uma das especialistas da Campanha #ELIANAPORTODASELAS e também uma das especialistas convidadas para participar da nova versão do programa TV Mulher Canal Viva, cuja protagonista e apresentadora é Marília Gabriela.
Atualmente colunista semanal da REVISTA MARIE CLAIRE.

Ellen Gracie Northfllet

Por decreto de 23 de novembro de 2000, publicado no Diário Oficial do dia imediato, foi nomeada, pelo Presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, para exercer o cargo de Ministra do Supremo Tribunal Federal, na vaga decorrente da aposentadoria do Ministro Luiz Octavio Pires e Albuquerque Gallotti. Tomou posse em 14 de dezembro de 2000, tornando-se a primeira mulher a integrar a Suprema Corte do Brasil desde a sua criação. Eleita por seus pares, empossou-se no cargo de Vice-Presidente do Supremo Tribunal Federal, em 3 de junho de 2004; e também eleita por seus pares, em sessão plenária de 25 de março de 2006, empossou-se no cargo de Presidente do Supremo Tribunal Federal, em 27 de abril de 2006, para o biênio 2006-2008. Aposentou-se por Decreto de 5 de agosto de 2011, publicado no DOU, Seção 2, p.1 em 8 de agosto de 2011.

Kenarik Boujikian

Nascida na Síria e neta de sobreviventes do Genocídio Armênio, a desembargadora integra a magistratura desde 1989 e preside a Associação dos Juízes pela Democracia (AJD). Atuou nas comarcas de Piracicaba, São Bernardo do Campo, Pilar do Sul e Cajamar. Foi promovida ao cargo de juíza substituta em 2º grau em 2011 e ao cargo de desembargadora em 2017. É especialista em Direitos Humanos pela Escola Superior da Procuradoria Geral de São Paulo. Foi advogada da Fundação de Amparo ao Trabalhador Preso (Funap) e procuradora do Estado.


Educação Física

Maria Emma Hulga Lenk Zigler

Maria Lenk obteve muitas conquistas ao longo da sua carreira de nadadora e de acadêmica: Maria foi a primeira diretora mulher da Escola de Educação Física da UFRJ. Foi também a primeira mulher brasileira a competir em uma Olimpíada, nos jogos de Los Angeles em 1932 e, além disso, exerceu o cargo de Presidente da Confederação Brasileira de Natação, sendo algumas vezes recordista mundial da modalidade que tanto amava. Até hoje, mesmo em memória, é a Presidente de Honra da Associação Brasileira Master de Natação (ABMN), devido ao fato de ter sido uma pioneira da natação master (para maiores de 25 anos) no país e no mundo.

Suraya Cristina Darido

Possui graduação em Educação Física pela Universidade de São Paulo (1984), mestrado em Educação Física pela Universidade de São Paulo (1991), doutorado em Psicologia Escolar e Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo (1997) e livre docência pela Unesp. Trabalha na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho desde 1987, coordena o Laboratório de estudos e trabalhos pedagógicos em Educação Física (LETPEF) e é bolsista produtividade em pesquisa do CNPq desde 1997. Atuou como consultora e elaboradora dos Parâmetros Curriculares Nacionais e atualmente participa da Comissão de Especialistas da Base Nacional Comum.Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em Educação Física Escolar, atuando principalmente nos seguintes temas: produção e avaliação de materiais didáticos, temas transversais, esporte educacional, organização curricular, conteúdos (lutas, danças e práticas corporais de aventura) e avaliação. Atualmente é coordenadora do Programa de Mestrado Profissional em rede da Educação Física.


Enfermagem

Florence Nightingale

Florence Nightingale (Florença, 12 de maio de 1820 — Londres, 13 de agosto de 1910) foi uma enfermeira, estatística, reformadora social e escritora britânica que ficou famosa por ser pioneira no tratamento a feridos de guerra, durante a Guerra da Crimeia. Ela é considerada a fundadora da enfermagem moderna, sendo pioneira na utilização do modelo biomédico, baseando-se na medicina praticada pelos médicos. Também contribuiu no campo da estatística, sendo pioneira na utilização de métodos de representação visual de informações, como por exemplo gráfico setorial (habitualmente conhecido como gráfico do tipo “pizza”) criado inicialmente por William Playfair. Nightingale lançou as bases da enfermagem profissional com a criação, em 1860, de sua escola de enfermagem no Hospital St. Thomas, em Londres, a primeira escola secular de enfermagem do mundo, agora parte do King’s College de Londres. O Juramento Nightingale feito pelos novos enfermeiros foi nomeado em sua honra, e o Dia Internacional da Enfermagem é comemorado no mundo inteiro no seu aniversário.

Ana Néri

Ana Néri teve três filhos, que criou sozinha, após a morte do marido. Em 1865, o Brasil integrou a Tríplice Aliança, que lutou na Guerra do Paraguai e os filhos de Ana Néri foram convocados para lutar no campo de batalha.

Sensibilizada com a dor da separação dos filhos, Ana Néri escreveu uma carta ao presidente da província oferecendo seus serviços de enfermeira para cuidar dos feridos de Guerra do Paraguai, enquanto o conflito durasse. Seu pedido foi aceito.

Em 1865, Ana Néri partiu de Salvador em direção ao Rio Grande do Sul, onde aprendeu noções de enfermagem com as irmãs de caridade de São Vicente de Paulo. Com 51 anos, foi incorporada ao Décimo Batalhão de Voluntários.

Ana Néri começou seu trabalho nos hospitais de Corrientes, onde havia, nessa época, cerca de seis mil soldados internados e algumas poucas freiras vicentinas realizando os trabalhos de enfermagem. Mais tarde, ajudou os feridos em hospitais de Salto, Humaitá e Assunção.

Wanda Horta

Wanda de Aguiar Horta foi uma notável professora que introduziu os conceitos do Processo de Enfermagem no século passado. Antes dela, os pacientes eram apenas indivíduos. Depois dela, passaram a ser tratados como seres humanos, com sentimentos, emoções e métodos de Enfermagem. Para ela, “Enfermagem é ciência e a arte de assistir o ser humano no atendimento de suas necessidades básicas, de torná-lo independente desta assistência através da educação; de recuperar, manter e promover sua saúde, contando para isso com a colaboração de outros grupos profissionais”. “Gente que cuida de gente.”


Engenharia Civil

Enedina Alves Marques

Filha de uma lavadeira e de um pai ausente, Enedina Marques nasceu em 1913 em Curitiba (PR). Negra, de origem humilde e com mais cinco irmãos, foi criada na casa da família do major Domingos Nascimento Sobrinho, que pagou seus estudos em colégios particulares para que fizesse companhia à sua filha. Em 1931, Enedina concluiu os estudos e passou a trabalhar como professora em diversos grupos escolares. Chegou até a alugar uma casa, onde dava aulas. ( Constructapp.io) Enedina Alves Marques entrou para a história como a primeira engenheira negra do Brasil. Ela se formou em Engenharia Civil pela UFPR, em 1945, e trabalhou no Plano Hidrelétrico do Paraná, tendo como uma de suas maiores obras a Usina Hidrelétrica Capivari-Cachoeira. Dentre outras obras de Enedina, destacam-se o Colégio Estadual do Paraná e a CEU – Casa do Estudante Universitário de Curitiba.(facebook)

Olive Dennis

Olive Dennis, nascida na Pensilvânia (EUA), em 1885, formou-se em Engenharia Civil pela Universidade Cornell. A inovadora “Lady Engineer”, como era chamada, revolucionou as viagens de trem e foi a primeira mulher a fazer parte da American Railway Engineers Organization. Em 1928, ganhou a patente de seu próprio sistema de ventilação, o “Dennis Ventilator”, que colocou o controle do fluxo de ar nas mãos dos passageiros.

Liedi Bernucci

Liedi Bernucci foi a primeira mulher a assumir o comando de uma das principais escolas de Engenharia do Brasil, a Poli-USP, na qual ocupa, atualmente, o cargo de diretora. Doutora em Engenharia dos Transportes, também foi pioneira ao ser escolhida como “Professor do Ano” pela Associação dos Engenheiros Politécnicos (AEP), em 2016. Autora de um livro que é referência para estudantes e profissionais – “Pavimentação Asfáltica: Formação Básica para Engenheiros” –, juntamente com Laura M.G. Motta, Jorge A P Ceratti e Jorge B. Soares, já publicou, até hoje, mais de 160 trabalhos.


Ciência da Computação

Ada Lovelace

Ada Byron King, a condessa de Lovelace, foi uma das poucas mulheres a figurar na história do processamento de dados. Nasceu em Londres, no dia 10 de Dezembro de 1815. O seu pai era Lord Byron, um poeta muito famoso, e sua mãe era Anne Isabelle Milbanke, da qual adquiriu o amor pela Matemática. Herdeira de grande fortuna, sua mãe não queria que sua filha fosse poeta como o pai e procurou dar-lhe uma educação em matemática e música. Transitando com a mãe pela nobreza intelectual londrina, foi levada por Mary Somerville, uma tradutora de trabalhos científicos em Cambridge, para conhecer (1833) Charles Babbage, professor de matemática em Cambridge, conhecido como o inventor da Difference Engine, uma máquina de calcular que operava com elementos finitos. Ela utilizou seus conhecimentos matemáticos para criar programas para a máquina de Babbage, tornando-se a primeira programadora de computador do mundo. Inventou o conceito de subrotina: uma seqüência de instruções que pode ser usada várias vezes em diferentes contextos. Nos anos 70, a linguagem ADA foi desenvolvida e batizada em homenagem a Ada Lovelace. É baseada em PASCAL, sendo uma linguagem desenhada para ser legível e facilmente mantida. Infelizmente essa brilhante cientista morreu de câncer com apenas 37 de idade, e foi enterrada ao lado do pai que ela nunca conheceu.

Hedy Lamarr

Hedy Lamarr era atriz e, em 1942, durante a Guerra Mundial II, patenteou um sistema de sinal com variador de frequência para evitar que torpedos controlados por rádio sejam interceptados, princípio usado hoje em tecnologias como o Bluetooth e versões anteriores de CDMA e Wi-Fi.

Grace Hopper

Em 1952, Grace Hopper foi a criadora da linguagem COBOL e, assim, popularizou a ideia de linguagem de programação orientada para o processamento de banco de dados usada até hoje.

Mary Kenneth Keller

Em 1958, Mary Kenneth Keller foi uma educadora e pioneira na área de tecnologia, além de ser a primeira mulher nos Estados Unidos a finalizar o PhD em Ciência da Computação.

Margaret Hamilton

Em 1969, Margaret Hamilton foi desenvolvedora e líder do time que desenvolveu os módulos lunares e de comando do sistema de voo da missão Apollo, recebendo a Medalha Presidencial da Liberdade por este feito, dada pelo então presidente americano Barack Obama.

Carol Shaw

Em 1978, Carol Shaw foi a primeira mulher a entrar no mercado de videogames, trabalhando na empresa pioneira em videogames Atari, e depois foi a responsável por criar o primeiro sistema de geração procedural de conteúdo, que nunca deixava uma fase de jogo ser igual à outra — prática que continua até hoje.

Frances Allen

Em 2006, Frances Allen foi a primeira mulher a ganhar o prêmio Turing e foi responsável por alguns dos sistemas iniciais de segurança da National Security Agency (NSA).


Engenharia de Produção

Ginni Rometty

IBM – CEO da IBM – Rometty, A Engenheira mais Poderosas do Mundo, Rometty, conquistou sua posição de poder na IBM e em toda indústria de tecnologia conduzindo vendas maciças e as equipes de marketing da IBM.

Lisa Su

AMD – CEO da AMD – A carreira da engenheira na fabricante de chips AMD tem sido nada menos do que meteórica. Ela ingressou na AMD em 2012 como vice-presidente sênior e gerente geral, após 13 anos na IBM e pouco mais em outro fabricante de semicondutores, Freescale.

Diane Greene

Empreendedora – Membro do conselho do Google, fundadora de startup – Ela não só é considerada como uma das mulheres engenheiras “mais inteligentes” fundadoras de Tecnologia como também está por trás de grandes sucessos do Vale do Silício, tendo investido ou aconselhado empresas como a Cloudera, Cumulus Networks, e Nicira.

Jen Fitzpatrick

Google – Vice-presidente de Engenharia e Gestão de Produtos do Google – Fitzpatrick lidera as equipes de produto e engenharia para os produtos locais do Google, serviços como busca local e do Google Places. No outono passado, também lhe foi dado um dos serviços mais preciosos do Google, o Google Maps.


Farmácia

Maria da Penha

Maria da Penha Maia Fernandes (Fortaleza-CE, 1º de fevereiro de 1945) é farmacêutica bioquímica e se formou na Faculdade de Farmácia e Bioquímica da Universidade Federal do Ceará em 1966, concluindo o seu mestrado em Parasitologia em Análises Clínicas na Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo em 1977.

Odette Ferreira

Professora catedrática da Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa, foi pioneira da investigação sobre SIDA em Portugal. Num trabalho de investigação realizado no Hospital de Egas Moniz, em Lisboa, no âmbito da equipa de investigação do Dr. José Luís Champalimaud, que prosseguiu com a equipa do Professor Luc Montagnier, do Instituto Pasteur, de Paris, identificou o HIV de tipo 2, descoberta da maior relevância no que se refere à epidemiologia e diagnóstico desta doença.


Área de Agronegócios

Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias

Ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil, Deputada Federal licenciada por Mato Grosso do Sul, ex-presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, engenheira agrônoma, empresária e ex-secretária de Desenvolvimento Agrário do Mato Grosso do Sul.

Ana Maria Primavesi

Ana Maria foi reconhecida por ser uma das pioneiras nos estudos sobre preservação de solo e recuperação de áreas degradadas, priorizando a atividade biológica através do acúmulo de matéria orgânica, evitando o revolvimento do solo, como se fazia anteriormente.

Lilian Hortense

Cafeicultora, graduada em Administração, pós-graduada em Gestão Empresarial, Diretora na APPCER – Associação dos Pequenos Produtores do Cerrado e membro da IWCA – Aliança Internacional das Mulheres do Café.

Sonia Gusman

Enquanto lecionava na Universidade Federal de Santa Maria, contribuiu para a organização do primeiro curso de pós-graduação voltado para a agricultura orgânica. Após sua aposentadoria não parou de ajudar em pesquisas e ajudou a fundar a Associação da Agricultura Orgânica (AAO). Seu livro “Manejo ecológico do solo: a agricultura em regiões tropicais”, lançado em 1984 ainda é considerado uma obra de referência nas ciências agrárias.


Fisioterapia

Ely Kogler Telg

Dra Ely Kogler Telg foi pioneira no Brasil na implantação do conceito Bobath e Therasuit, especialista em habilitação e reabilitação neuromotora fez parte da primeira turma de fisioterapia brasileira na Universidade estadual de São Paulo, onde todos os professores eram estrangeiros por se tratar de uma formação nova na área da saúde.

Berta Bobath

Dra Berta Bobath (in memoriam) foi uma fisioterapeuta alemã, conhecida por ter desenvolvido – junto com seu marido Karel Bobath (1906—1991) – o “Conceito Bobath”, um conjunto de técnicas que visam melhorar a qualidade do tónus, diminuir a espasticidade e outras características neuromusculares em crianças com paralisia cerebral.


Gastronomia

Helena Rizzo

Nascida no Rio Grande do Sul, ela começou a trabalhar como modelo, mas foi em 1997, no extinto restaurante Roanne de Claude Troisgros e Emmanuel Bassoleil, que ela melhor se destacou. Fez estágios em várias cozinhas da Itália e Espanha e em 2006, ao voltar para o Brasil, abriu o restaurante Maní, cuja cozinha é definida como contemporânea, baseada em ingredientes simbólicos da cozinha brasileira, tendo a também modelo e apresentadora Fernanda Lima como sócia. Além de ser a única Chef brasileira à frente de um restaurante condecorado pelo Guia Michelin, já foi eleita a melhor Chef do mundo pela Revista Restaurant por dois anos consecutivos, em 2013 e 2014. Em 2014 o restaurante Maní foi eleito o 36º melhor restaurante do mundo[2], atrás apenas do D.O.M. de Alex Atala na América do Sul. O empreendimento, que possui uma estrela Michelin desde 2015, já foi eleito o melhor restaurante de São Paulo pela Folha de S.Paulo cinco vezes, além de figurar entre os 10 melhores restaurantes da América Latina e entre os 100 melhores do mundo, ambos pela revista Restaurant.

Paola Carosella

É uma empresária executiva[1] e chef de cozinha ítalo-argentina radicada no Brasil. É dona do restaurante Arturito e do café La Guapa. Ficou conhecida ao se tornar jurada da versão brasileira do talent show MasterChef transmitido pela Band. Foi eleita a melhor chef de 2014, pelo Guia da Folha de S.Paulo.[2] Em 2017, recebeu o prêmio Jabuti pelo seu livro Todas as Sextas. Também é reconhecida pelos seus projetos socias, sendo a primeira a ganhar o prêmio “Comer & Beber”, da revista Veja, em 2019.

Roberta Sudbrack

Roberta Sudbrack chefiou por sete anos a cozinha do Palácio da Alvorada no mandato de Fernando Henrique Cardoso. Foi a primeira chef de cozinha na história do Palácio, tendo sido a responsável por todas as refeições do Presidente, bem como por todos os jantares e banquetes destinado às autoridades estrangeiras que por lá passaram nesse período. Roberta define sua cozinha como moderna brasileira, numa busca pela preservação da herança gastronômica do país, sem se restringir ao rótulo de uma comida regional. Em 2012 e 2016, foi a chef responsável pela alimentação da delegação brasileira nos Jogos Olímpicos. Em 2015, Roberta completou 20 anos de carreira, sendo eleita a melhor chef mulher da América Latina (Veuve Clicquot Latin America’s Best Female Chef 2015, da revista inglesa ‘‘Restaurant’). O RS, fechado em 2016, acumulou três estrelas no Guia Quatro Rodas, e uma no Guia Michelin, além dos incontáveis prêmios.


Nutrição

Marle dos Santos Alvarenga

Fundadora do Grupo GENTA, e da abordagem Nutrição Comportamental – Estudar, tratar, pesquisar e prevenir transtornos alimentares e obesidade, de forma científica e humana. Nós da UniFAJ e UniMAX seguimos essa abordagem no curso.

Semíramis Martins Alvares Domene

Componente do Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde da USP – Contribuiu na elaboração do Guia Alimentar da População Brasileira – 2014. Este é o mais novo documento de orientação nutricional.

Sônia Tucunduva Philippi

Sonia Tucunduva Philippi é nutricionista sanitarista. Responsável pela publicação da Pirâmide Alimentar Brasileira – 1999, como Guia de orientação nutricional.


Pedagogia

Marie Curie

A cientista polonesa Marie Curie (1867-1934) se formou em Matemática e Física, na Universidade de Sorbonne, na França. Junto a seu marido, Pierre Curie, ela foi responsável pela descoberta dos elementos químicos Polônio (nomeado em homenagem ao seu país) e Rádio. Foi então que se iniciaram as pesquisas sobre Radioatividade.Em 1903 ela recebeu o Prêmio Nobel de Física e, 8 anos depois, o de Química. Além de ter sido a primeira mulher a ganhar o Nobel, foi a primeira pessoa a recebê-lo duas vezes. Marie Curie também foi professora desde os 18 anos. Ela chegou a dar aula em uma instituição considerada ilegal por desafiar as políticas de repressão impostas pelo Império Russo, cujo maior público eram mulheres impedidas de estudar.

Anne Sullivan

A educadora americana, que viveu entre 1866 e 1936, perdeu a visão quando criança. Aos 20 anos, depois de se formar na escola, foi contratada como professora particular e em tempo integral de Helen Keller, que, com a ajuda de Sullivan, se tornou a primeira pessoa cega e surda a se tornar bacharel na história, tendo se formado em Filosofia. Foi por meio do tato que ela ensinou a menina a reconhecer objetos e associá-los a palavras. Assim, Keller se tornou fluente em inglês, francês e alemão, e ficou proficiente em braile e em linguagem de sinais na palma da mão. A história virou peça de teatro e, posteriormente, o filme “O Milagre de Anne Sullivan”.

Hannah Arendt

Hannah Arendt (1906-1975) era alemã e judia e, por causa do regime nazista, deixou o país, tendo se mudado para a França e, posteriormente, para os Estados Unidos, onde permaneceu apátrida até se naturalizar americana, em 1951. Conhecida como filósofa, ela publicou a obra “As Origens do Totalitarismo”, em que analisa as formas totalitárias de poder e a banalização do terror. A escritora também analisou a educação na época nos textos “A Crise na Educação” e “Reflexões sobre Little Rock”.


Psicologia

Silvia Lane

Sílvia é a mais importante teórica da Psicologia Social brasileira. Suas ações e reflexões marcaram essa ciência, elevando-a a sua mais alta função: a de práxis científica engajada ética e esteticamente com a luta contratodas as formas de exclusão social. Porém, não fez dela a redenção ou a panacéia dos males sociais, mas a entrelaçou à Filosofia e à Sociologia, construindo, a partir de pesquisas sobre a realidade nacional, um referencial teórico-metodológico crítico e interdisciplinar capaz de superar a cisão entre objetividade e subjetividade e entre homem e sociedade.

Carolina Bori

Carolina Bori graduou-se em 1947, em Pedagogia, pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo, tendo sido admitida como Professora Assistente de Psicologia, na própria USP, em 1948. Sua atividade desdobrou-se da Educação para a Psicologia, para a Ciência em geral, para a política científica e para a defesa da sociedade, sempre de uma forma profundamente integrada. Carolina trabalhou, ao mesmo tempo, pela consolidação da Psicologia como ciência nas universidades e na sociedade, e pela contribuição da Psicologia para a Educação em todos os níveis. Nesse processo, acabou contribuindo, também de forma inestimável, especialmente por meio de sua atuação na Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, SBPC, mas também em todas as outras frentes que se apresentaram – órgãos de fomento, associações científicas diversas, entre as quais duas que ela ajudou a criar, a Sociedade Brasileira de Psicologia e a Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Psicologia – ANPEPP.

Geraldina Porto Witter

Geraldina Porto Witter foi uma psicóloga, pedagoga e pesquisadora brasileira. Sua atuação foi considerada fundamental para o estabelecimento da profissão de psicólogo no Brasil, especialmente no campo da psicologia da educação.


Medicina Veterinária

Nair Eugênia Lobo

A primeira mulher diplomada em Medicina Veterinária no Brasil foi a DRA. NAIR EUGENIA LOBO, na turma de 1929 pela Escola Superior de Agricultura e Veterinária, hoje Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Clotilde de Lourdes Branco Germiniani

Professora Clotilde de Lourdes Branco Germiniani foi a médica veterinária mais antiga em atuação no Paraná – estava prestes a completar 59 anos da sua graduação pela Escola Superior de Agricultura e Veterinária do Paraná. Seu pioneirismo em vários aspectos ligados à profissão foi determinante para a valorização da atuação do médico veterinário na Saúde Única.Para manter sua memória viva na história e inspirar na formação de novos profissionais, o CRMV-PR criou, através da Resolução 3/2019, o Prêmio Clotilde de Lourdes Branco Germiniani de Saúde Única.


Engenharia Elétrica e Engenharia de Controle e Automação

Edith Clarke

Foi a primeira mulher a receber o diploma de Engenharia Elétrica no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). Foi a primeira professora de engenharia elétrica do país. Dentre os seus principais estudos e invenções, que fizeram uma grande diferença na história da engenharia elétrica, o destaque é Clarke Calculator, um disposto para resolver problemas de linha de transmissão de energia elétrica.

Gwynne Shotwell

Foi uma das únicas três mulheres de sua turma e se especializar em Engenharia Mecânica. Começou sua carreira profissional nos setores automotivos e aeroespacial. Desde 2002, comanda a SpaceX, que tem contrato de US$ 2,6 bilhões com a NASA e, segundo a Forbes, a 76ª mulher mais poderosa do mundo.

Marta J. Coston

Quando ficou viúva aos 21 anos, com quatro filhos para criar, encontrou um esboço para chamas de pirotecnia no diário de seu marido, um ex-cientista naval. Ela decidiu desenvolver a ideia que iria possibilitar que os navios se comunicassem à noite. O sistema foi vendido para a Marinha dos EUA e, por ajudar a salvar muitas vidas e ganhar muitas batalhas, levou os governos da França, Itália, Dinamarca, Holanda e Haiti a utilizá-lo também.