Mês é marcado pela Campanha Setembro Amarelo

Mês é marcado pela Campanha Setembro Amarelo

Por Profa. Dra. Luana Luca

Um problema de saúde pública que vive atualmente a situação do tabu e do aumento de suas vítimas é o suicídio. O Setembro Amarelo é uma campanha de conscientização da prevenção do suicídio, com o objetivo direto de alertar a população a respeito do suicídio no Brasil e no mundo e suas formas de prevenção.
Pelos números oficiais, são 32 brasileiros mortos por dia, taxa superior às vítimas da AIDS e da maioria dos tipos de câncer. Tem sido um mal silencioso, pois as pessoas fogem do assunto e, por medo ou desconhecimento, não veem os sinais de que uma pessoa próxima está com ideias suicidas.
Entendemos que a troca de experiências e a explanação sobre o assunto possam motivar o aprofundamento das questões envolvidas na assistência aos envolvidos com o suicídio, de forma técnica ética e compromissada com a sociedade.

No dia 29 de setembro, receberemos no curso de Psicologia, na disciplina de Psicologia do Desenvolvimento, os psicólogos Gabriela da Silva Cremasco e Felipe Augusto Cunha que conversarão com a turma do quarto semestre B sobre “Depressão e suicídio na adolescência”.
É IMPORTANTE FALAR SOBRE ISSO!
Mais informações no site da campanha: http://www.setembroamarelo.org.br/

Mini currículo dos palestrantes

Palestra: Depressão e suicídio na adolescência
Data: 29/09 (sexta-feira), às 19h20
Turma: 4º semestre B
Local: Sala 40
Palestrantes:
Gabriela da Silva Cremasco
Psicóloga pela Universidade São Francisco (2015). Mestre e Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Psicologia da Universidade São Francisco com ênfase em Avaliação Psicológica em Saúde Mental.

Felipe Augusto Cunha
Psicólogo pela Universidade São Francisco, Itatiba. Mestrando em Psicologia pelo Programa de Pós Graduação stricto sensu da Universidade São Francisco, com ênfase em Avaliação Psicológica em Saúde Mental. Experiência em Construção de Testes Psicológicos, atuando principalmente nos seguintes temas: depressão, suicídio, terapia cognitivo comportamental, psicoeducação e apoio a famílias de pacientes com deficiência intelectual e transtornos mentais. Atua na instituição Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) como psicólogo clínico, orientador de família e professores.